A visão dos acadêmicos do curso de ciências contábeis da UFSM em relação às principais alterações da reforma trabalhista

  • Juliani Karsten Alves UNOESTE
Palavras-chave: Reforma trabalhista, Empregados, Ciências Contábeis

Resumo

A reforma trabalhista, Lei n. 13.467/17 veio com objetivo de amenizar as relações entre empregado e empregador, mas acabou resultando em um ambiente de insegurança jurídica. O empregado, parte mais frágil da relação, era quem tinha mais dúvida e medo de como ficariam seus direitos e suas obrigações. As notícias ressaltavam esse receio e a indignação do empregado em relação a essas mudanças. Nesse contexto, formulou-se a seguinte questão-problema para responder este paradigma: Qual a visão dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UFSM, trabalhadores regidos pela CLT, em relação às principais mudanças ocorridas com a reforma trabalhista em 2017? Assim, o presente estudo teve como objetivo geral identificar, através de questionário aplicado aos acadêmicos do respectivo curso, a visão destes em relação às principais mudanças ocorridas com a reforma trabalhista. A pesquisa, quanto aos objetivos, foi considerada descritiva e utilizou-se as técnicas de pesquisa documental e de levantamento. Quanto aos procedimentos técnicos, utilizou-se a coleta de dados através da aplicação de questionário aos acadêmicos, abordando o problema de forma qualitativa e quantitativa. Os dados coletados foram tabulados no Microsoft Office Excel, analisados e transcritos em tabelas e figuras. Verificou-se que mais de 80% das mudanças apresentadas, pela avaliação dos acadêmicos, foram aprovadas, demonstrando o resultado favorável do estudo. Destaca-se que a alteração com maior índice de aprovação foi a de Teletrabalho ou Homeoffice, e a Terceirização foi a mais rejeitada pelo público respondente.

Publicado
2020-12-09
Como Citar
Karsten Alves, J. (2020). A visão dos acadêmicos do curso de ciências contábeis da UFSM em relação às principais alterações da reforma trabalhista. REVISTA DE CONTABILIDADE DOM ALBERTO , 10(18), 193-220. Recuperado de https://revista.domalberto.edu.br/revistadecontabilidadefda/article/view/575